Escadas em vidro

Escadas em vidro são sempre um destaque na arquitetura, com diversas possibilidades de modelos e acabamentos as escadas complementam perfeitamente um ambiente.

Contudo, com toda a versatilidade, muitas vezes é difícil imaginar todas as possibilidades que temos para escadas em vidro. Fiz uma pesquisa de escadas em vidro recentemente, para a inspiração de um projeto e vou compartilhar com vocês as que mais se destacaram!

Vou dividi-las entre bonitas e legais, porque para mim são qualidades diferentes que podem andar juntas ou não. As bonitas  – fácil de entender – são aquelas que enchem os olhos, já a as legais – mais subjetivas – são soluções interessantes mas que não são necessariamente as mais bonitas, ok?

Então vamos lá:

Escadas em vidro – As Bonitas

O primeiro exemplar de escada é para deixar todos de boca aberta, essa linda escada toda fabricada com vidro extra clear onde os degraus são temperados e multilaminados (três peças de vidro laminadas entre si) e o guarda corpo é um vidro laminado de 20mm no total e também é temperado.

Essa escada chama a atenção pela leveza e claridade que permite passar para todo o ambiente. Os degraus são fixados na alvenaria e no vidro através de peças de aço inox, nos vidros elas se apoiam em furos. A base do guarda corpo que encosta no piso recebeu um perfil de aço inox com 7 cm de altura.

O vidro do guarda corpo não é curvo, são duas partes que se encostam com um ângulo de 45º.

escadas em vidro

 

A escada abaixo é icônica! Ao bater o olho já sabemos que ela pertence a alguma loja da Apple. A Apple sempre tenta se superar e, inova também nos vidros sempre que alguma grande loja ou escritório é construído, um exemplo disso são as escadas em vidro. A Apple desenvolveu essa escada e todas as ferragens pertencentes à esse projeto para ter esse lindo resultado, foi necessário adaptar e desenvolver os sistemas tradicionais de beneficiamento de vidro para que essa escada fosse executada.

O centro da escada é composto por chapas de vidro curvadas em 1/4 de círculo, que sustentam todo o peso da estrutura de vidro e também fazem a proteção do vão como um guarda corpo. Já o guarda corpo que faz o fechamento externo é todo apoiado em si mesmo e nos degarus que são fixados no centro.

Uma belíssima solução que combina tecnologia, leveza e inovação.

escadas em vidro

A escada a seguir tem um conceito bem minimalista, os degraus em vidro multilaminado é fixado na parede e colado nessa parede de vidro com cola uv. Os patamares da escada seguem a mesma liguagem e são fixados nas paredes e piso intermediário. É um área do edifício reservada para as escadas e a transparência, onde a iluminação natural do último andar é espalhada por toda a escada.

Princes-Mews-W2-Glass-Stairs

A escada abaixo é um cubo de vidro, que se destaca da arquitetura da residência pela leveza e transparência.  A escada também permite que a luz seja difundida através dos vidros para os ambientes adjacentes. Os degraus e patamar são de vidro laminado acidato o que confere mais privacidade para quem sobe e desce.

As fixações dos degraus é feita por botões em aço inox e os vidros que fazem o fechamento da escada são fixados na laje.

escadas em vidroescadas em vidro

Abaixo uma imagem que detalha como é a fixação por botão entre os degraus e o guarda corpo em vidro, ela pode ter um apoio por degrau ou mais, tudo depende do modelo de botão e do design desejado.

escadas em vidro

Escadas em vidro – As Legais

A escada abaixo eu achei fantástica, nela a fixação é toda feita em vidro com vidro… Onde um grande painel em vidro recebeu faixas de vidros (coladas com cola UV), e nos intervalos entre essas faixas de vidros os degraus são apoiados (e colados com cola UV também, para evitar o desencaixe). A sensação é de uma escada onde os degraus são flutuantes.

Escadas em vidro

A próxima escada é muuuito legal, o efeito que ela tem é fantástico. Imagina uma escada que tinha tudo para ser normal e sem-graça, até que alguém resolveu fazê-la em vidro e o projeto se transformou! Nesta escada, os degraus e os espelhos dos degraus são multilaminados extra clear e fixados na alvenaria com apoio na lateral da peças.

escadas em vidroescadas em vidro

Essa escada se encaixa nas duas categorias, ela é linda e super legal! Quem trabalha com vidro vai concordar tenho certeza. Essa escada é toda estruturada em vidro sobre vidro e é travada no piso e no pavimento de cima. O seu formato cilíndrico a torna estruturalmente mais forte e suporta muito bem as cargas à que ela se submete no dia-a-dia.

Os degraus e patamar são fixados por botões em aço inox, da mesma maneira o corrimão é fixado no guarda corpo.

escadas em vidro

 

Abaixo temos o exemplo de escadas flutuantes com piso em vidro, o efeito é muito legal mas pode deixar algumas pessoas desconfortáveis na hora de subir.

Aqui peças de vidro multlaminado são encaixadas e chumbadas na alvenaria, e na uma estrutura metálica que também faz a fixação do guarda corpo em vidro. O resultado é uma escada leve que facilmente se encaixa em qualquer tipo de projeto.

escadas em vidroescadas em vidro

Essa escada também é de fácil execução e traz um efeito bem legal, de leveza e transparência de uma maneira bem clean. O vidro é fixado em um quadro metálico com pintura branca e esse quadro metálico é chumbado na alvenaria, uma solução simples que cria um visual moderno e traz iluminação natural para o ambiente abaixo da escada.

escadas em vidroescadas em vidro

E aí? Gostaram das escadas? Falei de vários tipos e soluções, acho que deu pra ter uma idéia do que é possível fazer.

E depois de muito pesquisar e pensar, a escada que desenhei é muito parecida com a escada abaixo, os degraus são em vidro extra clear pintado de branco laminado com extra clear e uma fita de LED foi pensada para iluminar os degraus e espelhos dos degraus.

escadas em vidro

Como eu não queria que a estrutura aparecesse, diferentemente da imagem, o espelho de cada degrau também é em vidro extraclear pintado de branco laminado com extra clear. Assim que pronta eu venho falar sobre a escada.

Espero que tenham gostado! Até a próxima!

Tipos de vidro laminado

Algo que nos deixa em dúvida sobre vidro na hora de escolher um laminado são os tipos de vidro laminado. Qual é melhor? Quais as vantagens e desvantagens? Quais atendem às normas?

Vou explicar sobre os tipos de laminados, dizendo as diferenças entre eles e as vantagens e desvantagens de cada um. (Se você está lendo esse post e não sabe o que é vidro laminado, acessa esse post aqui primeiro)

Resumindo: o vidro laminado é composto por duas ou mais lâminas de vidro, onde o intercalante (que une as lâminas de vidro) é formado por o polivinil butiral (PVB), resina, ou EVA e aglutina os estilhaços quando o vidro é quebrado, impedindo a fragmentação.

Ele também melhora o desempenho acústico do vão e barra mais de 90% dos raios UV.

Tipos de vidro laminado…

Vidro laminado com EVA:

É um processo relativamente novo (no Brasil desde 2003), mas que vem conquistando espaço no mercado por sua facilidade de aplicação. Ele permite para os processadores do vidro menos perda de material no processo e menor consumo de energia, o que acaba refletindo no preço final da peça, já que você pode fazer uma otimização de peças.

O maquinário para esse tipo de laminação também tem menor custo do que o tradicional maquinário de PVB (de 3 a 10 vezes mais barato), além de ocupar um menor espaço físico para o processo (20m² contra 200m²). Por isso muitos processadores estão preferindo esse tipo de laminação.

O EVA (etileno-vinil-acetato) é visualmente como o PVB (incolor e translúcido), e os dois possuem a mesma espessura (0,38mm) e  podendo ser colorido.

tipos de vidro laminado

Vantagem: Não produz sobras de vidro e gasta muito menos energia. Ótima aceitação também no mercado de decoração por permitir laminar pequenas peças com custo competitivo e inserir tecidos, papéis, fotos, ou folhas por exemplo. (Inclusive o vidro curvo)

Desvantagem: A quantidade de produção é inferior à produzida em PVB (que faz 2000m² por dia enquanto o EVA produz até 500m² por dia).

Como é feita a laminação:

  1. Se o Vidro precisar ser temperado, isso deve ser feito antes da laminação (no vídeo abaixo eles mostram o vidro entrando e saindo da têmpera);
  2. O primeiro vidro é colocado em uma mesa, onde o filme de EVA é colocado por cima dele e em seguida o segundo vidro é colocado por cima do EVA;
  3. O filme de EVA é cortado rente às bordas dos vidros;
  4. A composição é colocada em uma das gavetas do forno de EVA e em seguida ela é fechada com uma manta de silicone próprio que gera vácuo nas peças;
  5. Em seguida a gaveta é colocada dentro do forno;
  6. O processo dura três horas e chega à temperatura máxima de 120 graus centígrados;
  7. O vidro é retirado do forno e está pronto.

Curiosidade: A laminação EVA também é utilizada em vidros eletronicamente opacados.

Certificação: Yveraldo Gusmão, diretor da Gusmão Representações, pioneiro na introdução desse equipamento no País, solicitou uma certificação de impacto, luz e umidade no Instituto Falcão Bauer da Qualidade (IFBQ). Agora o laminado com EVA está certificado na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil quanto à sua segurança e qualidade.

Fabricantes: Um dos fornecedores de EVA do Brasil é a Bridgestone, marca japonesa que agregou bastante confiança ao produto, e há diversos fornecedores chineses também de alta qualidade.

Vidro laminado com Resina:

A laminação com resina é o processo mais antigo no mercado e de aplicação simples no vidro. A simplicidade de execução dispensa grandes e custosos maquinários, e o principio é o mesmo onde um produto é aplicado entre duas chapas de vidro e tem o papel de reter os cacos em caso de quebra.

A resina assim como o EVA permite a otimização dos vidros, evitando o desperdício de material. O processo necessita somente de 70 m² e não exige gastos adicionais de energia elétrica, o que faz da resina o processo mais econômico.

Há dois tipos de resina no mercado atualmente, as de base acrílica que têm sua cura em uma mesa com lâmpadas de UV e as de base de poliéster que são curadas em uma mesa de descanso com temperatura média de 25 a 30 graus. A grande diferença está no tempo de cura da resina, e na elasticidade do intercalante depois de pronto. A resina com base de poliéster resulta em uma camada mais flexível, que tem um desempenho acústico melhor e é apropriado para lugares com alta vibração (como barcos, trens…).

tipos de vidro laminadotipos de vidro laminado

A resina também pode ser pigmentada, o que permite diversas cores e aspectos finais assim como o PVB e o EVA.

Vantagens: Baixíssimo gasto de energia e não produz sobras de vidro. Também excelente para uso em peças pequenas e pequeno volume de laminação.

Permite a combinação de vidros com espessuras com diferença maior que 2mm.

Por ter uma espessura maior que o PVB e o EVA, a resina é mais resistente a impactos.

Desvantagens: A capacidade de produção é bem baixa, já que cada peça deve ser resinada manualmente uma a uma.

A espessura do intercalante é maior em comparação ao PVB e EVA.

Como é feita a laminação:

  1. Se o Vidro precisar ser temperado, isso deve ser feito antes da laminação;
  2. Os vidros são limpos com produto próprio e logo em seguida secos com pano limpo (que não solta fiapo, fio…);
  3. Em seguida a fita que dá o distanciamento correto entre as peças é colada nas pontas dos vidros;
  4. Os vidro são sobrepostos e posicionados com o correto alinhamento;
  5. A proteção da fita adesiva é retirada para que o vidro de cima cole nela também, exceto de uma lateral do vidro por onde a resina será colocada;
  6. Uma espécie de pá-funil é inserida entre os dois vidro na lateral onde a fita não foi colada no segundo vidro e através dela a resina vai sendo derramada entre os vidros;
  7. Quando a resina atinge uma certa altura o vidro é deitado para que ela se espalhe por todo o espaço faltante e a proteção da fita adesiva é retirada para que o vidro feche a passagem antes aberta;
  8. Por ultimo as bolhas de ar são retiradas por seringas e os espaços são vedados com cola neutra ou silicone neutro.
  9. A partir daí são 8 horas à 24 horas para a cura da resina de base de poliéster, e 15 a 20 minutos para a resina com base acrílica (na mesa com lâmpadas UV).

Obs: No vídeo a resina é branca pois foi adicionado um pigmento e o aspecto final desejado é o branco leitoso.

Curiosidade: Por ter uma espessura maior, ela é mais resistente à impactos e favorece a produção de vidros blindados.

Certificação: Não encontrei nada sobre a certificação da resina, mas sei que há um grande movimento do setor vidreiro junto com a ABNT para normatizar a laminação com resina. O texto da NBR 7199 foi revisado e encaminhado à consulta nacional.

Fabricantes: Há alguns fabricantes de resina aqui no Brasil e os mais utilizados são a Foster’s (resina com base de poliéster conhecida como Fosterglass), a Effectus (resina com base de poliéster conhecida como Astrocure), a Cytec (resina com base acrílica conhecida como Uvekol) e a Kommerling (resina com base acrílica conhecida como Kodiguard).

Vidro laminado com PVB:

A laminação com PVB (Polivinil Butiral) é a mais utilizada no mercado, ela é responsável por cerca de 85% de todo o vidro laminado do Brasil, ele é composto por resina, plastificantes e outros materiais. Há um único fabricante de PVB instalado no Brasil, porém a variedade de produtos é muito grande. Desde cores até PVB de alto desempenho acústico.

tipos de vidro laminado

Ela é feita em chapas, geralmente de 3,21×2,20m ou 3,21×2,40m mas também pode ser feita em chapa jumbo de 3,21×6,00m, e o corte das peças é feito após a laminação, o que agiliza muito o processo porém aumenta a perda de material. É possível laminar peças menores que o tamanho da chapa tradicional e laminar peças já cortadas na dimensão final (caso de vidros temperados antes da laminação), mas não é economicamente interessante ligar a linha somente para pequenas peças.

Com a laminação em chapas é preciso ter um cuidado maior no armazenamento das mesmas para que não haja contato com materiais que possam danificar as superfícies e bordas, para que não haja arranhões nem quebra, já que ficam mais tempo paradas na indústria.

tipos de vidro laminado

Vantagem: Grandes volumes de vidros podem ser laminados de uma única vez, é amplamente requisitada no mercado pela confiança.

Também tem grande variedade de cores e acabamentos.

Barra 99,9% dos raios UV que queimam móveis e desbotam cortinas e tapetes.

Desvantagem: Não vale a pena ligar a linha de PVB para laminar poucas peças.

Não permite a combinação de vidros com espessuras com diferença maior que 2mm.

Custo dos maquinários e espaço que eles necessitam.

Como é feita a laminação:

  1. Se o Vidro precisar ser temperado, isso deve ser feito antes da laminação;
  2. É feita a lavagem e secagem das chapas de vidro com cuidado para que não haja nenhuma sujeira;
  3. O PVB é aplicado entre os vidros, e a composição é levada para a calandra onde há uma pré-colagem (onde acontece a retirada do ar e pré-selagem das bordas através de calor e compressão);
  4. Em seguida a composição é colocada na autoclave, que funciona como uma panela de pressão gigante, com temperatura e pressão elevada, onde finaliza a colagem e a retirada do ar residual.
  5. O vidro então está pronto para ser cortado (se não foi temperado);

Curiosidade: Existe o PVB acústico, que melhora em torno de 50% o som percebido (claro que isso depende da composição do vidro também, se além de laminado ele é insulado, o tipo de esquadria).

Existe também um PVB cem vezes mais rígido e 5 vezes mais resistente chamado SentryGlass, ele foi amplamente utilizado nos vidros dos estádios feitos para a copa de 2014 já que atende às normas específicas de rigidez e resistência.

Certificação: O PVB é o intercalante mais certificado entre os três, talvez pela maior demanda existem diversos testes realizados, há inclusive vídeos na internet que mostram testes de esforço e impacto dos vidros laminados com esse intercalante.

Fabricantes: A única fabricante de PVB instalada no Brasil é a Solutia (Eastman), que conta com a linha Saflex e a linha Vanceva com muiiiitas cores!

Conclusão

Dentre os tipos de vidro laminado, é difícil dizer qual o melhor. Cada um cabe à um tipo de aplicação e ao preço que você está disposto a investir.

O importante é pesquisar sobre o local que você vai comprar e saber se os produtos dessa vidraçaria ou processadora são de qualidade, os intercalantes são bons e seguros contanto que feitos da maneira adequada.

Espero que essas informações tenham sido úteis!!

Obs.: O vidro laminado não é sinônimo de vidro colorido ok? Eu coloquei imagens de vidros coloridos para ilustrar as possibilidades de cores ALÉM do incolor. 😉

{ Pisos de vidro }

Se tem uma coisa que me traz uma excelente sensação em projetos é a iluminação natural, e pisos de vidro além de toda a sua beleza e leveza permitem que a iluminação natural se propague pelos cômodos e espaços do projeto.

Pisos de vidro:

pisos de vidro

Falei do projeto acima nesse post sobre iluminação natural zenital (do teto), mas ele é um ótimo exemplo de como o piso de vidro pode deixar a luz do ambiente superior passar para o ambiente inferior. Isso porque a Vertical Glass House (Xangai) tem uma abertura no teto, por onde a luz entra e essa luz é propagada pelos 3 andares por pisos de vidro!

O projeto abaixo é um triplex que fica na Romênia, ilustra perfeitamente a idéia da iluminação natural e de quebra é um belíssimo projeto em vidro incolor laminado com estrutura em aço inox.

O guarda-corpo da escada segue a mesma idéia de deixar a iluminação natural passar e uma mesma peça une o vão dos dois lances de escada. (Falei sobre guarda-corpo nesse post aqui)

Pisos de vidro Pisos de vidro

Segundo a norma da ABNT, a NBR 7199 todo piso de vidro DEVE ser laminado! Já que em uma eventual quebra o vão não se abre e os cacos de vidro ficam colados no intercalante, garantindo que nenhum usuário se machuque com esse vidro. (Sobre vidros laminados veja esse post!)

Pisos de vidro

Outra dica é temperar a lâmina de vidro que ficará por cima do conjunto, isso garante uma maior resistência à impactos caso alguém derrube algo pesado em cima do piso. (Sobre vidros temperado eu falei aqui)

Outros tipos de vidro:

E se você está pensando que o vidro incolor tira muito a privacidade, é possível utilizar um vidro acidato ou até mesmo um vidro impresso (apesar do nome, o vidro impresso é um vidro com desenhos em alto ou baixo relevo).

Pisos de vidro Pisos de vidro

A vantagem do vidro impresso é que você pode escolher um modelo anti-derrapante e ter ainda mais segurança na sua solução, principalmente se for perto de uma área molhada.

Especificando pisos de vidro:

Para dimensionar o piso de vidro, adota-se sempre normas internacionais já que no Brasil ainda não há normas específicas para essa aplicação e os parâmetros europeus são bastante elevados. Normalmente, a carga considerada é de pelo menos 500 kgf/m2 para essa definição são usadas as normas européias e alguns cálculos que obedecem a critérios estabelecidos pela ABNT.

living-da-academiapisos de vidro

Pisos de vidroPisos de vidro

Para facilitar o dia-a-dia, a Cebrace disponibiliza um programa online que faz o calculo da espessura do vidro conforme a dimensão da peça. Por esse link você entra na área de calculo de espessura e escolhe pisos de vidro! O programa é bem auto explicativo, basta colocar as dimensões da peça em metros e responder qual o uso e se terá peso concentrado, serão sugeridos 6 tipos de solução, se não aparecer nenhuma é porque a sua peça de vidro está muito grande e você precisa dividi-la.

sala-de-estar-com-piso-de-vidro-cobertura-triplex-em-tel-aviv-israel

O progama só calcula para pisos que têm os quatro lados apoiados, ou seja todo o perímetro do vidro tem que ter uma estrutura para se sustentar. Para vidros com dois ou três lados apoiados é necessário buscar alguém especializado para calcular.

O projeto acima mostra um piso de vidro onde as peças são apoiadas em duas extremidades (as laterais), o guarda corpo é apoiado na mesma estrutura do piso, porém os vidros não se tocam.

Já os projetos abaixo mostram peças de vidro apoiadas em seus quatro lados.

pisos de vidropisos de vidro

Pisos de vidro pisos de vidro

Pisos de vidro esportivos:

Outro piso de vidro muito legal que já comentei aqui no blog é o dessa quadra poliesportiva, o piso permite que iluminação de LED delimitem as linhas referentes a cada esporte. Os vidros utilizados nessa quadra são antiderrapantes, e a cor é definida de acordo com a base utilizada, e pode ser escolhida dentre diversas cores.

pisos de vidropisos de vidro

Por essa você não esperava não é mesmo?

Apesar de não estar em altura, o vidro também deve ser laminado, para evitar acidentes em caso de eventual quebra. Quer saber mais sobre essa quadra? Eu falei dela nesse post aqui, em vidros que iluminam o esporte.

pisos de vidro

Se quiser saber mais sobre as normas técnicas de vidro, eu fiz um resuminho fácil que você pode acessar por aqui!

[:]

A ponte de vidro dos corajosos!

A ponte de vidro mais longa do mundo.

Foi inaugurada recentemente a mais longa ponte do mundo com piso de vidro, a ponte tem 300m de comprimento e está a 180m do chão.

A ponte fica no Parque Geológico Nacional Shiniuzhai, na província de Hunan, e tem chamado muita atenção por seu piso envidraçado que permite ver a beleza bem abaixo dos pés dos visitantes.

ponte de vidro

 

A ponte recebeu o carinhoso apelido de “A ponte dos corajosos” (livre tradução para o português) por ser muito alta e seu piso em vidro fazer muita gente ter frio na barriga e quase desistir da travessia, como se tudo isso já não fosse vertiginoso o suficiente a ponte ainda balança com o vento!

ponte de vidroponte de vidro

Mas quem for passear por lá não precisa se preocupar, o piso em vidro tem 24 mm de espessura e é 25 vezes mais resistente do que os vidros de janelas comuns. E por ser composta por vidros laminados, mesmo em uma eventual quebra do vidro não é preciso se preocupar já que o vão não se abre.

ponte de vidroponte de vidro

Essa ponte já existia a muitos anos mas era de madeira, em 2011 os administradores do parque fizeram uma experiência trocando um pedaço da ponte por vidro, o sucesso foi tanto que eles resolveram trocar todo o piso de madeira por vidro. E tornando “a ponte dos corajosos” a primeira ponte suspensa com piso de vidro da China.

ponte de vidroponte de vidro

E você acha que eles ficaram satisfeitos com essa ponte? claro que não! Em breve deve ficar pronta mais uma ponte na mesma província de Hunan, porém em outro parque, o Zhangjiajie Grand Canyon.

A ponte dos corajosos II, a missão.

Dá só uma olhadinha nas imagens abaixo, a construção da maior e mais alta ponte com piso de vidro do mundo deverá ser concluída em breve, mas só de olhar os operários trabalhando já me dá um friozinho na barriga.

ponte de vidroponte de vidro

A ponte terá 299m de altura, 430m de comprimento e 6m de largura e terá seu piso todo em vidro, para tirar o fôlego de qualquer um que se aventurar a atravessá-la, seja pela beleza ou seja pela altura.

O arquiteto é o Israelita Haim Dotan, segundo ele a “ponte de vidro Zhangjiajie foi projetada para ser o mais invisível possível, uma estrutura branca e transparente desaparecendo por entre as nuvens”.

ponte de vidro

A ponte dos corajosos III, o retorno.

Para quem aguentar, existe ainda na mesma região de Zhangjiajie, na província de Hunan esta linda passarela que circunda a montanha Tianmen a 1.432m de altura!

ponte de vidroponte de vidro

A passarela tem 60m de comprimento e 1,2m de largura para a aflição de muita gente que não gosta de andar na beirada. Ela ficou pronta em 2013 e atrai muitos turistas corajosos!

ponte de vidroponte de vidro

*Para que o vidro não fique esverdeado como o da ultima ponte que vimos é necessário utilizar um vidro extra clear, já que o vidro multilaminado (como é o caso das pontes) tende a acentuar e escurecer sua cor por terem várias camadas de vidro coladas uma cima da outra.

Vidros que iluminam e transformam ambientes!

Quando pensamos em projetos luminotécnicos (de iluminação), quase nunca pensamos em unir a iluminação com as diversas composições possíveis de vidro, mas saiba que ao juntar vidro e luz o resultado é um grande impacto visual e belos efeitos cênicos que tornam ambiente inesquecíveis.

Existem diversas maneiras de explorar essa técnica, pode ser na decoração de casa, pode ser para espaços comercias (como lojas, galerias, bares…) e também em fachadas (hotéis, museus, galerias…).

vidros que iluminam
Vidro impresso Saint Gobain Glass com iluminação LED – Casa Cor São Paulo 2011

Vidros que iluminam a decoração.

O uso desse tipo de iluminação em residências pode ser mais pontual e discreta, ou bastante marcada dando um ar bem cenográfico ao ambiente.

É bom lembrar, que é possível criar diversas cenas com a iluminação e que elas podem ser ligas individualmente ou simultaneamente, transformando o ambiente conforme as luzes são acesas/apagadas.

O mais comum é o uso em residências é de prateleiras em vidro com iluminação LED colorida ou incolor, em closets, armários e  móveis planejados.

Vidros que iluminamVidros que iluminam Vidros que iluminamVidros que iluminam

Existem também prateleiras com medidas padrão, que já vem com o LED embutido, prontas para receber o vidro de sua escolha. E podem ser colocadas em banheiros, ou qualquer outra parte da casa. – É possível encontrar na IdeiaGlass

Vidros que iluminamVidros que iluminam

É legal pensar também em um ítem que ganhe destaque na decoração, como uma mesa de jantar ou até mesmo a mesa da cozinha, não dá nem vontade de colocar toalha de mesa para não esconder o charme!

Vidros que iluminam

Ou então usar em lugares mais escondidos como no banheiro para fazer cromoterapia no banho, é possível utilizar no box do chuveiro ou então em uma parede de vidro no fundo do box ou banheira.

Vidros que iluminamBox-com-Iluminação-LED-RGB-em-Loft-Triplex-na-Romênia-por-Ion-Popusoi-e-Bogdan-Preda

Para o box, é melhor utilizar vidros que tenham desenhos ou que sejam acidatos para que a luz seja captada em toda a extensão do vidro fazendo com que o efeito seja de estar envolto em luz.

Vidros que iluminam

Mas é possível também ousar bastante na iluminação, e fazer  projetos arrojados com grande impacto visual e transformar a aparência de uma decoração sóbria como no projeto abaixo da cobertura triplex do Ritz-Carlton Residences em Tel Aviv. A escada por si só é bem minimalista mas quando as luzes se acendem ela se transforma, todo o vão é tomado por luz e o ambiente vira um show de cores.

Vidros que iluminamVidros que iluminam

Vidros que iluminamVidros que iluminam

A residência abaixo, que fica em Ancara na Turquia, usou e abusou das luzes coloridas já que seu interior tem design bastante arrojado, a escada troca de cor conforme a escolha do usuário, ela pode ter uma cor só ou várias diferentes ao mesmo tempo.

vidros que iluminam vidros que iluminam

Vidros que iluminam espaços comerciais.

Para espaços comerciais, o céu é o limite já que a intenção quase sempre é a de chamar a atenção de clientes e se tornar memorável, para que o boca a boca traga mais e mais pessoas para frequentar o ambiente e consequentemente consumir o que você está ofertando.

Acredito que bares e boates deveriam utilizar esse recurso em muitos pontos, mas principalmente no bar. A iluminação pode matar ou destacar o ambiente, um bar bem sinalizado e iluminado faz com que os clientes encontrem facilmente o local de consumir e tenham vontade de retornar!

vidros que iluminamvidros que iluminam

vidros que iluminamvidros que iluminam

A luz também pode ser usada em outras partes do bar para destacar bebidas, taças e etc. A imagem abaixo dá um exemplo de como o vidro iluminado pode ser utilizado.

vidros que iluminam

Ou que tal utilizar painéis de vidro que iluminam o ambiente e dão o tom do espaço, mais legal ainda se esse vidro puder ser visto de fora do estabelecimento chamando ainda mais atenção para aquele espaço.

vidros que iluminam

O Hotel e Spa Panorama que fica em Girona – Italia, investiu em espaços de banho e massagem com cromoterapia, tornando a experiência do usuário ainda mais completa. (Projeto executado pela empresa Espanhola Ledglass)

Vidros que iluminam vidros que iluminam

A Clínica Vilar, em Barcelona, decidiu que sua característica mais marcante seria a decoração do espaço e com isso resolveu revestir a maior parte de suas paredes com vidros que iluminam cada ambiente com a cor escolhida. (Também executado pela espanhola Ledglass)

vidros que iluminamvidros que iluminam

vidros que iluminamvidros que iluminam

Mais uma maneira de incorporar a técnica em interiores é iluminar o guarda corpo de escadas e mezaninos, essa idéia pode ser utilizada em restaurantes, bares, lojas e até mesmo em residências.

vidros que iluminam vidros que iluminam

Vidros que iluminam fachadas e destacam edifícios.

Você vê uma fachadas dessa e já imagina um edifício no mínimo diferente, afinal não é qualquer projeto que tem fachadas que podem ser enxergadas a quilômetros de distância, e que mudam de cor com a facilidade de um click em um botão.

vidros que iluminam vidros que iluminam

vidros que iluminam vidros que iluminam

Hotel Europa Splash em Barceloa e Hotel Summer também em Barcelona – por Ledglass.

O The Briggait Centre, situado em Glasgow na Escócia, tem em sua fachada painéis de vidro incolor com texturas opacas e se transforma de acordo com a cor da luz que é projetada em seu interior. O edifício chama muita atenção por estar ao lado de uma antiga estrutura que serviu como galpão por muitos anos.

vidros que iluminam vidros que iluminam

A fachada das lojas também podem receber esse tipo de solução, tanto em partes fixas quanto em partes móveis como a porta pivotante.

vidros que iluminam vidros que iluminam

A solução pode ser em toda a extensão da fachada ou somente em partes específicas… a criatividade é o limite.

vidros que iluminam

O clube de vela Nordwesthaus na Suiça, feito pelo escritório Baumschlager-Eberle, tem um belo efeito de iluminação proporcionado por 125 lâmpadas LED que geram uma sequencia de luzes nas cores verde, azul, amarelo, vermelho e branco.

vidros que iluminam fachada-de-vidro-translucido-com-iluminaçao-led-clube-de-vela-nordwesthaus-lago-constança-suiça

Posicionados estrategicamente, o s LEDs iluminam os elementos vazados, deixando à mostra na fachada de vidro a silhueta dos desenhos.

fachada-dupla-de-vidro-impresso-e-concreto-vazado-clube-de-vela-nordwesthaus-lago-constança-suiça dupla-fachada-de-vidro-impresso-e-concreto-vazado-clube-de-vela-nordwesthaus-lago-constança-suiça

À noite, a estrutura cúbica reflete na superfície do lago todo o brilho colorido de sua fachada, transformando o espelho de água em um painel de LEDs.

vidros que iluminam

Vidros que iluminam o esporte.

A ASB Glass Floor tem um sistema desenvolvido por eles para quadras poliesportivas que utiliza piso de vidro antiderrapante e ao invés de linhas pintadas no piso, as delimitações das quadras são feitas por luz de LED, parece coisa do futuro mas esse piso já foi aplicado em diversos lugares da Europa.

vidros que iluminam

As faixas de LED são posicionadas de acordo com o desenho que o esporte necessita, e pode ser alterado com um simples toque de botão, transformando uma quadra de basquete em uma quadra de vôlei, com a vantagem  que os jogadores nunca vão se confundir com outras quadras pintadas no mesmo espaço.

vidros que iluminam
O piso é elevado para absorver o impacto dos jogos, sem danificar o vidro.

O vidro utilizado tem textura diferenciada para garantir a característica de antiderrapante, ele é laminado para garantir a segurança dos usuários em caso de quebra e é incolor, o que dá a coloração da quadra é um papel translúcido colorido colocado logo abaixo do vidro e que pode ser facilmente trocado.

vidros que iluminam
Detalhe da textura antiderrapante do vidro laminado.

O sistema é extremamente resistente e durável, o primeiro teste foi em uma escola onde a quadra poliesportiva é muito utilizada, e 3 anos depois o sistema permanece impecável, mesmo com diversos usos diários. E com a vantagem de ser desmontável a qualquer momento, é possível adicionar novos pontos de LED para formar novos desenhos conforme a necessidade.

Gostou? Quer saber mais sobre esse sistema? Assista o video abaixo (em inglês).

Dicas para escolher bem o vidro que ilumina.

Se você está querendo utilizar a solução na sua casa ou empresa, fique atento pois o vidro incolor normal e o vidro que tem textura tem resultados diferentes quando aplicados.

A imagen abaixo ilustra bem a diferença entre um vidro liso e um vidro com padrão ou jateamento. O vidro liso capta a luz nas suas bordas, enquanto o centro permanece com aspecto normal, já o vidro com textura capta a luz na textura e nas bordas. A partir desse conceito é possível planejar a maneira que o vidro se comportará com a luz.

vidros que iluminam

 

Quando o vidro é colocado na horizontal (ex: mesas, prateleiras…) é legal que ele tenha uma espessura mais larga que o usual para que a iluminação chame atenção. Mas se o vidro for colocado na vertical (ex: guarda corpo, box, painéis…) a espessura pode ser a usual, já que não vai aparecer e nem interferir na propagação da luz.

SCat_Glass_Floating_Light_Shelf_Large

vidros que iluminam

*O ideal como em qualquer projeto luminotécnico, é que o planejamento seja feito antes da reforma/construção já que a iluminação precisa de pontos de energia embutidos na parede.

Vidro resistente ao fogo!

O projeto de edifícios no Brasil exige que haja uma rota de fuga em caso de incêndio, as escadas de incêndio são um exemplo dessa rota. O que essa rota tem de especial é que os materiais que a envolvem são resistentes ao fogo por pelo menos 2 horas.

O problema da rota é que geralmente é feita de alvenaria e portas de metal, o que não as deixa esteticamente interessantes.

Você sabia que existe vidro resistente ao fogo? Pois é, esse vidro existe e pode ser utilizado em rotas de fuga de incêndio em edifícios, unindo a segurança e a estética.

vidro resistente ao fogo vidro resistente ao fogo

Projeto University Center em Nova Iorque – Vidros Pilkington Pyrostop

Existem duas classificações internacionais de vidro resistente ao fogo, a classificação E (Estabilidade) que é conferida a vidros que impedem a passagem do fogo e dos gases formados pelo incêndio por um determinado período de tempo e a classificação EI (Estabilidade e Isolamento) que é dada a vidros que  além de impedir a passagem das chamas e dos gases também garante o isolamento de grande quantidade do calor por um determinado período de tempo.

Aqui no brasil classificamos como antichamas (E) e corta-fogo (EI), porém esse vidros ainda não são fabricados no Brasil já que a demanda ainda é muito baixa e não há normas brasileiras que regularizam o uso desse tipo de solução. Apesar disso, uma instituição financeira de São Paulo conseguiu homologar as portas de vidro resistente ao fogo do projeto junto ao corpo de bombeiros.

vidro resistente ao fogo

O antichamas é um vidro borossilicato temperado (que contém boro na composição), – também utilizado em lareiras (falei sobre elas aqui) – o boro dá a característica de resistência à altas temperaturas. O vidro borossilicato começa a amolecer em torno dos 821°C já o vidro comum amolece a 550°C. Ele geralmente é utilizado monolítico (uma única chapa de vidro) mas também pode ser laminado para evitar estilhaços em caso de quebra. O vidro pode ter espessura entre 5 e 12mm e suporta o fogo por um período de tempo que pode ser de 30, 60, 90 ou 120 minutos, tempo suficiente para a evacuação do edifício.

Vidro resistente ao fogo

O vidro corta-chamas é formado por no mínimo duas lâminas do vidro borossilicato temperado, o intercalante que une esses vidros é um gel intumescente (que se dilata em contato com o fogo e não é inflamável), a quantidade de lâminas de vidro e de intercalante fazem a diferença no tempo de resistência ao fogo que a solução tem. Apesar de barrar o calor das chamas, o vidro se aquece com o fogo, mas não o suficiente para por em rico a integridade do ambiente de fuga dos usuários do edifício. O vidro pode ter diversas espessuras já que pode ser multilaminado e suporta o fogo por um período de tempo que pode ser de 15, 30, 60, 90 ou 120 minutos, dependendo da quantidade de lâminas.

Teste de resistência ao fogo
Teste de resistência ao fogo

A imagem abaixo mostra o teste depois de um tempo, isso que nós vemos de cor branca é o gel intumescente reagindo com o fogo, ele perde água com o calor e se expande e quando expande ele fica com essa coloração leitosa.

vidro resistente ao fogo

Como podemos notar nas imagens para que a solução funcione perfeitamente é necessário que a a esquadria e todos os materiais utilizados na instalação dos vidros também tenham a característica de resistência ao fogo pelo mesmo tempo que o vidro. É importante testar um protótipo autorizado e aprovação do corpo de bombeiros.

Mas é muito bom saber que há opções esteticamente interessantes para projetos ousados, e o vidro permite uma perfeita integração com qualquer tipo de material.

aluminum4door-glass-panel-fireproof-laminated-58261-1606767 01 pyrostop

Aqui é possível achar o vidro pela Glassec que fornece os vidros da fabricante Schott.

Observação sobre lareiras:

Apesar do vidro antichamas ser apropriado para lidar com fogo, ele não é a melhor opção para uso em lareiras já que o tempo de “vida útil” dele é pequeno. O ideal é o vitrocerâmico, que aceita grandes variações de temperatura e tem uma vida útil de aproximadamente 5 mil horas à uma temperatura de 560°C (Robax da Schott).

{ Piscinas de vidro }

 

piscinas de vidroEu sou suspeita, mas adoro visores de vidro em piscinas. Acho que eles trazem leveza e dão um “tchans” no projeto, e pelo jeito não sou só eu já que o uso de paredes de vidro em piscinas vêm aumentando e também surpreendendo pela criatividade.

Há diversas maneiras de incorporar o vidro à piscina, seja com um grande visor lateral, seja no fundo da piscina, seja como uma faixa no topo da piscina… Então vamos explorar um pouco mais esse assunto e saber como é esse vidro.

Visores laterais:

Eles podem estar em qualquer lateral da piscina e ter diversos tamanhos e formas.

piscinas de vidropiscinas de vidro

O visor pode ser um segmento da lateral da piscina ou a lateral completa, como as piscinas abaixo:

piscinas de vidropiscinas de vidro

Os visores também podes ser redondos ou curvados.

piscinas de vidropiscinas de vidro

Bordas em vidro:

A borda acontece quando a piscina é muito mais funda do que o vidro deixa ver, o vidro está só no topo da piscina.

piscinas de vidropiscinas de vidro
piscinas de vidropiscinas de vidro

piscinas de vidro

A imagem abaixo mostra o uso do vidro como borda infinita (quando o nível da água vai até o topo podendo transbordar) e em toda a extensão da borda. Gostei muito dessa idéia que traz leveza e faz a água parecer flutuar.

piscinas de vidro

Outro projeto que me encantou foi a dessa hidromassagem, com a mesma idéia da piscina anterior o vidro fica em toda a extensão da borda, com o nível da água até o topo.

piscinas de vidropiscinas de vidro

E essa piscina abaixo que recebeu iluminação de LED na base de instalação do vidro, que deu esse efeito muito legal para destacar a piscina à noite.

piscinas de vidropiscinas de vidro

Pisos de vidro:

Uma maneira muito legal de usar o visor é no piso da piscina, integrando os andares da edificação. O resultado é uma integração que gera sensação de bem estar e difunde a iluminação natural através da piscina chegando no andar inferior.

piscinas de vidropiscinas de vidro

A piscina acima na direita é de uma academia na Suiça e do andar inferior é possível ver a piscina independente do local que a pessoa esteja, imagina que sensação gostosa! E de quebra a cobertura da piscina é retrátil.

Abaixo uma imagem de um dos andares abaixo da piscina.

piscinas de vidro

A residência abaixo, Jellyfish House fica na Espanha e utilizou a piscina como cobertura da varanda, reduzindo a iluminação direta e protegendo a área ao mesmo tempo. A piscina é bem grande e é possível vê-la em outras partes do edifício.

piscinas de vidro

A cobertura abaixo fica no Rio de Janeiro e traz uma solução muito parecida com a de cima. Porém ao invés do fundo da piscina, o que recebeu vidro foi o fundo do “deck molhado” (espaço de pouca profundidade para tomar sol), difundindo iluminação natural.

piscinas de vidropiscinas de vidro

Visor tipo aquário: 

São visores em vidro que ficam na parede que divide a piscina e um ambiente da edificação, trazendo também a sensação de integração e iluminação natural.

piscinas de vidropiscinas de vidro

Mas seja qual for a maneira que te agrada, o projeto deve ser muito bem estudado e realizado por empresas especializadas que vão trabalhar em conjunto com a estrutura da piscina a melhor maneira de conceber e realizar a obra.

Quanto maior a quantidade de vidro desejada, mais complexa a solução para o projeto e por isso não se deve fazer com qualquer pessoa. É necessário garantir tanto a segurança dos usuários como a estanqueidade do conjunto.

O vidro precisa ser bastante resistente já que a pressão que a água exerce nele é grande, por isso o ideal é que além de ter maior espessura que vidros que usamos em janelas por exemplo, ele seja multi-laminado (mais de uma laminação) e temperado (garantindo maior resistência e que o vão não se abra em caso de ruptura).

Na imagem abaixo podemos ver um exemplo disso, vidro com duas laminações e de grande espessura, não é possível enxergar que o vidro é temperado, mas isso garante maior resistência ao conjunto.

piscinas de vidro

Sei que muita gente não gosta do vidro assim sem acabamento por cima, mas tudo depende do efeito final que você procura, abaixo uma das opções de acabamento.

piscinas de vidro

O aço inox que tem alta durabilidade e agrada a muitas pessoas, pode ser utilizado dobrado no topo do vidro escondendo as laminações dele.

piscinas de vidro

Para paredes de vidro muito extensas, com com uma grande pressão de água é necessário que haja uma estrutura reforçada para que o vidro tenha o apoio necessário. Na imagem acima há um pilar de apoio em aço inox que permitiu reduzir a espessura do vidro e utilizar peças menores .No exemplo abaixo temos as duas ciosas, uma grande extensão e muita água fazendo pressão.

piscinas de vidro

A chapa de vidro tradicional tem 3,21×2,20m ou 3,21×2,40m, se a dimensão da peça ultrapassa os 3,15m (a lapidação das peças tiram o comprimento) ela precisa ser dividida já que não é possível fazer maior que o tamanho da chapa.

Existem as chapas de vidro chamadas jumbo, que tem 3,21×6,00m de dimensão, porém utilizá-la em um projeto significa aumentar significativamente os custos, por isso se sua peça passar de 3,15m de extensão consulte com a empresa que fará o vidro sobre as soluções possíveis e os valores.

Até a próxima!