A manutenção do box!

Aposto que você nunca se deu conta de que seu box precisa de manutenção preventiva, apesar de muito necessário pouco se fala sobre isso. Geralmente procuramos assistência quando o box já não está funcionando como deveria, e mesmo assim tem gente não procura assistência, por achar que é normal que com o tempo o box deixe de ser como sempre foi.

Já ouviu alguém comentar que a porta do box quebrou sozinha? Pois é, isso acontece muitas vezes por falta de manutenção do box.

O box, assim como todos os tipos de vidros móveis (portas, janelas, coberturas retrateis, etc…), precisa de manutenção preventiva a cada 12 meses.

A manutenção do box
Box conventional de canto – cor branca

Isso porque o conjunto (vidro e sistema) vai se desgastando com o uso, pode sair do alinhamento dependendo de como é manuseado, ele junta poeira nas roldanas e pode dificultar a movimentação da porta, o silicone pode se soltar… Enfim, são diversos os motivos que fazem da manutenção algo muito importante para a segurança do box.

Você já fez alguma manutenção no seu box? Se não, procure uma loja que faça instalação de box e peça uma manutenção, ela tem um custo mas é necessária para a sua segurança. Veja abaixo algumas características que mostram que seu box precisa urgentemente de manutenção:

  • Porta abrindo ou fechando com dificuldade, ou abrindo/fechando sozinha;
  • Guia inferior da porta quebrada ou com flexibilidade excessiva;

A manutenção do box

  • Batedor inferior ou superior quebrados;
A manutenção do box
Batedor é o que limita a abertura do vidro.
  • Excesso de balanço do conjunto;
  • Contato do puxador da porta com o vidro fixo;

A manutenção do box

  • Porta raspando no chão;

A manutenção do box tem que ser periódica, porque os desgastes estão sempre acontecendo. Apesar do vidro temperado ser 5 vezes mais resistente que um vidro comum ele ainda sim pode quebrar e não só por pancada, se ele corre em um trilho que está fora de prumo o trilho “entorta” o vidro e essa força sozinha pode causar a ruptura.

E apesar do vidro temperado ser menos cortante que o vidro comum, ele corta sim e pode causar ferimentos e às vezes deixar sequelas.

*Se a porta for de correr, ou com porta pivotante que abre para fora é possível utilizar um vidro temperado e laminado, eliminando o risco de cortes em caso de quebra.

a manutenção do box

Além do uso, o que pode ocasionar a quebra é uma instalação mal feita ou um vidro mal temperado. Por isso é sempre melhor optar por produtos certificados (há muitas beneficiadoras certificadas pelo Inmetro) e profissionais de confiança para fazer a instalação.

Em uma manutenção de rotina é feita a troca das roldanas que fazem a porta correr, a regulagem das portas para que fiquem sempre alinhadas corretamente, teste de vedação do silicone (para ver se a água está vazando para fora do box) e substituição de peças quando necessário.

A manutenção do box
Box Elegance – Ideia Glass

Ah mas como lembrar de dar manutenção todo ano? Eu sugiro criar um lembrete no calendário do e-mail ou celular, coloca junto com a troca do filtro! 😉 Mas não deixe de fazer! Chame a empresa e peça que ela dê manutenção em todas as portas de vidro temperado.

O preço médio da manutenção é de R$200,00 (para um box, negocie os outros!!), mas se houver troca de alguma peça esse preço é cobrado à parte.

*Falei muito de box de correr, mas box com porta pivotante também precisa de manutenção preventiva! 

 

{Adega de vidro}

O vinho é cada vez mais apreciado pelo brasileiro, e o crescimento do hábito de tomar vinho reflete diretamente no projeto de novas residências.

Adega para vinhos é um ítem que aparece cada vez mais em residências, seja ela climatizada ou não o espaço dedicado ao vinho ganha destaque independente do tamanho ou forma.

Para definir como será a adega é necessário saber qual a relação das pessoas que vão residir no projeto com o vinho, isso influencia diretamente na disponibilidade de recursos e dimensionamento do espaço.

Adegas de vidro
Adega climatizada com vidro incolor temperado de 8mm

O vidro é um excelente material para fechamento de adegas porque permite expor o espaço e ao mesmo tempo isolá-lo, principalmente se a adega for climatizada.

Vou mostrar diversos tipos de adegas em vidro, desde salas até pequenos espaços que dão destaque aos vinhos com muito charme.

Salas de vinho:

Quase como um closet para vinhos, pode ter espaço para sentar e degustar as garrafas ou ser somente um espaço de armazenamento.

Abaixo a adega tem fixação dos vidros com perfil de alumínio fosco na parte superior e na parte inferior esse perfil está embutido no piso. O vidro é temperado de 10mm incolor, com porta de giro que permite uma melhor vedação dos vãos para que o ar gelado não escape.

adegas de vidro

A sala abaixo tem porta de correr em vidro incolor temperado 10mm já que a adega não é climatizada, esse tipo de porta deixa um pequeno vão aberto entre a folha fixa e a que corre (de 1cm) por onde o ar pode escapar aumentando o consumo de energia para gelar a sala.

adegas de vidro

O melhor tipo de porta, quando há climatização, é a que tenha o melhor sistema de vedação possível. Geralmente são as que tem caixilhos (esquadria) em volta, mas se quiser utilizar somente vidro, a porta pivotante (de girar) tem melhor vedação.

wine-roomadegas de vidroadegas de vidro

Há diversas maneiras de fixar o vidro, pode ser com perfil aparente, com perfil embutido ou mesmo uma esquadria. Tudo vai depender do aspecto que você deseja e possibilidades que o projeto permite.

adegas de vidroadegas de vidro

O ideal é fazer com vidro incolor para que seja possível enxergar o que há dentro do espaço mas é possível utilizar outros vidros como verde, cinza, bronze e além de customizações como vidro adesivado e laminação colorida.

adegas de vidroadegas de vidro

Para que o aspecto seja o mais limpo possível evite fazer bandeira em cima da porta, assim ela acompanha os outros vidros com a mesma linguagem.

adegas de vidroadegas de vidro

Adegas tipo armário:

Adegas geralmente climatizadas que são como armários para vinho, cabem em projetos que não tem muito espaço disponível, mas ainda destaca bastante o espaço dedicado ao vinho.

adegas de vidro adegas de vidro adegas de vidro

Eu gosto dessas soluções porque cabem em apartamentos que tenham uma sala ou cozinha espaçosa, ou mesmo um corredor espaçoso, podendo receber um armário para vinhos.

Essas imagens abaixo são de adegas tipo vitrine, onde todos os lados recebem vidros e podem ser utilizadas como divisão de ambientes.

Essas adegas também são feitas em vidro temperado incolor 10mm,  fixados na base e no topo. Se o pé direito fosse maior ou a largura do vidro maior, a espessura teria que ser maior para dar mais segurança.

adegas de vidroadegas de vidro adegas de vidroadegas de vidro

Além do vidro, a iluminação faz toda a diferença em um projeto de adega.

A imagem abaixo na direita, aproveitou um cantinho da cozinha para fazer a adega climatizada, o espaço é suficiente para as garrafas e para alguém entrar e sair.

adegas de vidroadegas de vidro

Essas duas adegas abaixo têm a mesma linguagem do ambiente em que elas estão e são separadas somente pelo vidro, é possível utilizar ferragens diferenciadas e tornar o projeto ainda mais exclusivo.

adegas de vidroadegas de vidro

Adegas para espaços reduzidos:

A gente sabe que os apartamentos vêm diminuindo de tamanho e fica difícil fazer uma adega sem perder muita área útil do apartamento. Mas essas idéias abaixo vão mostrar como é possível!

Uma idéia é fazer um cantinho onde uma peça de vidro segura as garrafas, basta que esse vidro seja temperado e com uma espessura suficiente para aguentar o peso – vai depender da altura e largura do vidro também. Esse vidro recebe furos redondos onde são encaixadas as bocas das garrafas, esse furo tem que ser um pouco maior que o diâmetro da boca da garrafa para dar certo. Outra coisa importante é a distância entre os furos, eles não podem ser muito próximos para não diminuir a resistência do vidro, e também não fica bonito muitas garrafas amontoadas.

adegas de vidroadegas de vidro

Essa adega abaixo tem a mesma idéia mas com um vidro acidato com iluminação no fundo para dar destaque ao painel de vidro.

adegas de vidro

A adega abaixo nos permite ver o lado oposto dessa solução, mostrando bem como as garrafas ficam encaixadas no vidro.

adegas de vidro

A solução a seguir também dá destaque ao vinho, sem ocupar muito espaço. É possível pensar em várias configurações para essa mesma idéia, tudo depende do espaço disponível. Se esse perfil que segura o vidro fosse embutido ficaria ainda mais bonito, e um vidro extra clear também faria muita diferença. Como são poucos pedaços de vidro temperado, é uma solução que ainda tem um custo-benefício excelente.

Esse vidro também poderia partir do piso até o teto, enfim a idéia pode ser adaptada para muitos projetos.
adegas de vidro

adegas de vidro

adegas de vidro

Também podemos explorar os cantinhos para colocar os vinhos, como nas imagens abaixo. Na esquerda uma adega com um tamanho muito bom ocupa o canto do barzinho, e do outro uma adega que aproveita um nicho na parede com prateleiras em vidro temperadas, encaixadas na diagonal.

                                                        adegas de vidroadegas de vidro

E aí? Deu vontade de ter uma adega em casa? 

Casa Cor Rio 2015 e seus vidros!

A 25ª edição da Casa Cor Rio de Janeiro acontece até dia 04/10/2015 na Villa Aymoré, na Glória, em um conjunto de 10 casas, que faz parte da história da cidade.

A mostra conta com 42 ambientes com estilos supercontemporâneos, que misturam moradia e trabalho, com a participação de arquitetos como Lia Siqueira, André Piva, Gisele Taranto, Jairo de Sender, Marina Linhares entre outros.

O projeto da Gisele Taranto, o Lab LZ by GT chamou muito a minha atenção por usar no piso utilizando cacos de espelhos coberto por um vidro incolor.vidros casa cor

O piso recebeu uma estrutura metálica preta que recebeu no topo vidro temperado e laminado incolor, no vão criado pela estrutura metálica muitos cacos de espelho foram distribuídos e o efeito foi surpreendente, o resultado desafia os sentidos já que parece que estamos pisando em cacos.

vidros casa corvidros casa corvidros casa cor

O Living da Praia de Paola Ribeiro tem um recuo na parede azul para a bancada, revestido nas laterais por madeira e por um painel de espelho no fundo e na direita podemos ver a Tv escondida atras do painel.

vidros casa cor

A Sala de Estar Bela Arte de Ricardo Melo e Rodrigo Passos também usa um painel de espelho bastante interessante, dividido em várias peças verticais.

vidros casa cor

O “Apartamento do Jovem de 50 anos” de Caco Borges também utilizou o espelho como fundo da bancada da pia, ampliando o ambiente.
vidros casa cor

Sala por Billy Talbot e Cecília Teixeira com fundo da bancada revestido em espelho, destacando a iluminação e ampliando o ambiente.

vidros casa cor

Apesar dos muitos ambientes e de um ser mais interessante que o outro, esses foram os que chamaram minha atenção pelo uso do vidro!

Fotos retiradas do site da Casa Cor.

{ Vidro Low-e, ou baixo emissivo }

Existe vidro comum e existe vidro de proteção solar (post legal sobre proteção solar aqui), dentro da família de vidros de proteção solar existe um tipo denominado Low-e.

vidro low-e

Low-e é abreviação de low emissivity, que, em português, significa “baixa emissividade”. A emissividade é a propriedade de transmitir o calor absorvido que os materiais possuem. É uma característica do vidro à qual pode ser atribuído um valor e quanto menor for a emissividade, menos calor o vidro deixa passar.

Então vidro baixo emissivo é um vidro que tem baixa transferência de temperatura entre o ambiente interno e o ambiente externo.

Como isso funciona?

O Sol emite três tipos de ondas: os raios UV, a luz visível e o infravermelho que é o calor que sentimos quando expostos à luz solar.

O vidro Low-e possui a capacidade de refletir a maior parte das ondas infravermelhas (calor) e também dos raios UV, porém permitindo a passagem da luz visível (que é somente luz). Os vidros de proteção solar sem Low-e reduzem também a passagem da luz visível.

vidro low-e

Além dessa característica o vidro Low-e, como todos os vidros, absorve uma quantidade desse calor irradiado pelo sol. E é aí que o ele se destaca, porque a transmissão desse calor absorvido é muito pequena. Na imagem abaixo é chamado de calor re-irradiado para o interior.

vidro low-e

O chamado Valor U é um valor numérico que mensura a emissividade do vidro, ou seja, sua capacidade de transferir calor por meio de condução. Quanto menor o Valor U, menos calor esse vidro transfere. Para fazer uma comparação um vidro comum tem emissividade de 0,89, enquanto em um low-e ela pode chegar a 0,03. Esse valor é utilizado para dimensionamento de uso do ar condicionado das edificações.

vidro low-e

Muita gente me questiona se esse vidro muito utilizado fora do Brasil, realmente funciona para o nosso clima. Em um país quente, o Low-e sem proteção solar provocaria um efeito estufa deixando o calor da radiação solar entrar e impediria que ele saísse por meio de condução, aumentando a temperatura do ambiente e forçando um aumento no uso do ar condicionado.

Aqui e em outros países quentes, o Low-e é utilizado em conjunto com uma camada de controle solar que tem como principal característica o bloqueio do calor emitido pelos raios do sol. Então esse vidro de proteção solar ganha um bônus com o Low-e: a baixa transferência térmica do exterior para o interior.

vidro low-e
Archiexpo

Uma curiosidade:

Todas essas características se acentuam se o vidro for insulado (duplo). O vidro Low-e insulado é bastante utilizado na indústria de refrigeração, em geladeiras e freezers de supermercados por exemplo, já que o vidro se encaixa perfeitamente na necessidade de evitar a troca de temperatura mantendo a transparência do vidro.

vidro low-e